Ainda os mitos de 1964

Rodrigo Sias*

A onipresença da CIA no imaginário popular e midiático contrasta com a nunca citada interferência soviética, essa sim, enorme e operativa, desde o início da Guerra Fria. Após a tomada comunista de Cuba, a ilha caribenha passou a ser um hub de espionagem e financiamento de guerrilhas no continente americano.

Hoje se sabe que havia vários agentes e espiões (soviéticos, cubanos e até tchecos) operando em solo brasileiro e dentro da burocracia estatal. Goulart foi informado, mas preferiu colaborar, inclusive devolvendo as provas a Fidel Castro, sob pretexto de não criar um “incidente diplomático” com o bloco comunista. Continuar lendo

Comentários a partir do jornal “Zero” da UFSC – Parte 1

Augusto Pola Júnior

Andando pela UFSC quando, em contra mão ao sentido que eu caminhava, passou uma moça e ofereceu-me, sem que ambos deixássemos de caminhar, a edição especial do jornal ZERO – o jornal do curso de jornalismo da UFSC. Esta edição especial aborda o recente episódio de confronto de esquerdistas contra a polícia no campus e a posterior invasão a reitora na tentativa de transformá-la em uma república de maconheiros. O jornal teve o cuidado de ouvir todos os lados e procurou, segundo o editorial na primeira página, ser imparcial. Para conclusões mais completa, recomendo a leitura que pode ser feita aqui. Passo então para análise das partes que julguei mais interessante da edição.

ufsc zero Continuar lendo

Os mitos de 1964

Rodrigo Sias*

Com a chegada da data que marca os 50 anos da chamada “Revolução de 64” para os simpatizantes ou “golpe de 64” para os críticos, o imaginário brasileiro tem sido invadido por diversos lugares comuns, os quais pouco acrescentam ao entendimento histórico do período. Alvo de milhares de teses históricas a respeito, os anos do Regime Militar ainda seguem envoltos em uma enorme aura de mistificação. Primeiramente, a intervenção militar não surgiu por iniciativa da caserna. Continuar lendo

O Bullying da UFSC 3 – Os sequestradores da paz

Augusto Pola Junior

Quando escrevi em “O Bullying da UFSC 2” que “[…] nem se a UFSC se pronunciasse oficialmente a favor, por exemplo, da liberação das drogas, significaria que todos os que possuem vínculo com a universidade concordam com isso. O máximo, neste hipotético, mas não impossível, caso, seria concluir que parte influente da universidade compartilharia de tal opinião”. Eu já imaginava uma vibe de esquerdismo anti-polícia e pró-maconha na UFSC.

ufsc carro depredado

Continuar lendo

Da infâmia a glória: a exaltação da pátria e a afirmação do sentido de nação diante da afronta comunista

Marcelo Carvalho*

A lição do movimento da reconquista se espalhou e continuará se espalhando pelo Brasil via redes sociais, servindo de lição e motivação para todos os estudantes e pessoas que amam verdadeiramente o Brasil

O evento ocorrido sexta-feira, 28 de março de 2014, pode ser pensado como uma contraposição ao tal “Levante do Bosque”, cujo desdobramento levou a ocupação da reitoria da UFSC e a substituição de nossa bandeira por um trapo vermelho. Neste sentido, o evento pode ser pensado também como uma ação de “Reconquista de Território”, já que o hasteamento da bandeira nacional, substituída pela infame bandeira vermelha, símbolo do comunismo, revela um nítido sentido de reparar algo que fora, momentaneamente, perdido.

A reconsquista da universidade_UFSC Continuar lendo

CAÇA ÀS BRUXAS NA UFSC: PERSEGUIÇÃO IDEOLÓGICA CONTRA ESTUDANTES

Maria Aparecida Nery

Brener Martins, estudante da UFSC, foi agredido fisicamente por Vinicius Aquinio Silva, acadêmico de Geografia na mesma instituição. Um boletim de ocorrência foi registrado na 5a DP (Trindade). Para Brener, o agressor age movido por convicções políticas e ideológicas: Vini­cius é militante do movimento estudantil com amplo apoio da Reitoria que adora Che Guevara, a ditadu­ra cubana e o bolivarianismo. Brener é contrário ao esquerdismo que permeia as práticas e posturas da Universidade

caça às bruxas na UFSC

Continuar lendo

A grande ilusão da “Pátria Grande” latino-americana

Marcelo Carvalho*

O internacionalismo é uma das características do movimento comunista. Neste sentido, parte da ação global comunista consiste no fomento de estratégias para se criar, artificialmente, uma identidade entre nações diversas. Na América Latina, o Foro de São Paulo serve como agente articulador dessas ações elaborando diretrizes para que organizações locais, situadas nos países da região, implementem este projeto. O escopo dessas ações também é diverso e se manifesta em um espectro de organizações que engloba partidos políticos, sindicatos, universidades, movimentos sociais etc..

Foro de Sao Paulo_2 Continuar lendo

ALUNO ESQUERDISTA DA UFSC AGRIDE ALUNO DE DIREITA POR MOTIVAÇÃO POLÍTICA

Perseguição ideológica na UFSC toma contornos fascistas

Antonio Pinho, Vitor Vieira

O estudante de Física da UFSC, Brener Martins (20 anos) foi agredido fisicamente por Vinicius Aquinio Silva (25 anos), que cursa geografia também na UFSC. Segundo relato de Brener, a agressão teve motivações políticas. Vinicius é um militante de esquerda – apóia o MTS e a ditadura cubana – e participa do movimento estudantil universitário. Brener, ao contrário, é conhecido por ser contrário a práticas e posturas esquerdistas na universidade em que estuda.

imagem texto4_che

Continuar lendo

MST, PARTIDOS DE EXTREMA-ESQUERDA, ALUNOS E PROFESSORES DA UFSC SE UNEM PARA INVADIR TERRA EM FLORIANÓPOLIS

O jornal Ilha Capital revela detalhes picantes sobre a invasão do MST no Norte da Ilha, que a imprensa tradicional sabe e esconde da opinião pública

Ilha Capital_capa

Reportagem de Antonio Pinho, João Vitor Gasparino e Maria Aparecida Nery

O ano de 2013 foi emblemático para a história do Brasil, principalmente para a história da esquerda nacional. Em junho os revolucionários tupiniquins saíram às ruas, dispostos a romper a or­dem democrática e jurídica da nação (o que, de resto, já ocorre desde que Lula subiu a rampa do Planalto) e promover o grande salto para o comunismo. As manifestações ocuparam a imprensa em larga escala, mas fugiram do controle da esquerda, que não atingiu o planejado: a reforma política proposta pelo PT e uma nova assembleia constituinte, o que concretizaria a cubanização do Brasil.

Essa “transformação” político-econô­nica vem sendo preparada há décadas por intensas transformações culturais e as academias universitárias são parte fundamental nisso. Mas esse processo destrutivo nunca foi tão rápido quan­to nos últimos tempos. Em reiteradas denúncias na imprensa sobre a doutrina­ção marxista nas universidades brasilei­ras, a UFSC está no pódio. Um bom ano para nossa esquerda universitária tinha que ter um grande final: a espetaculosa invasão do MST em um terreno privado em nobre área urbana da região balne­ária da Ilha de Santa Catarina, para im­plantação de uma comuna agrária, sob o codinome de Ocupação Amarildo. Continuar lendo

Scambiamo Pizzolato per Battisti? Un’idea per il governo italiano

Antonio Pinho

I comunisti non hanno la minima vergogna. Battisti ha fatto cose assurde in Italia. Ha ucciso, ha violentato gli innocenti, ha fatto del terrorismo ed il governo comunista di Lula/Dilma lo accoglie a braccia aperte. Ha ottenuto anche un ottimo lavoro e un’abitazione lussuosa. Per gli atleti cubani, che sono fuggiti durante le partite dei giochi Panamericani che si sono svolte a Rio de Janeiro nel 2007, il trattamento è stato diverso. Lula ha rimandato gli atleti a Cuba. Indovinate cos’è successo? Il governo comunista di Cuba gli ha fatto sparire.

volta pra itália

Foto scattata durante la manifestazione contro il Cesare Battisti accaduta all’Università Federale di Santa Catarina.

Continuar lendo