O aborto e as corporações internacionais: uma brevíssima introdução

Lucas Coral

O aborto é uma prática de controle populacional planejada e financiada ao redor do mundo pelas fundações Ford, Rockefeller, MacArthur, Kellogg… essas fundações são controladas pelas mesmas famílias que controlam grande parte da economia mundial.

É preciso entender isso: Por que as grandes corporações empresariais estrangeiras financiam o aborto?

Numa economia livre (onde não há regulação do Estado), cada um pode crescer e se desenvolver à medida de suas capacidades, talentos e esforços próprios. A economia livre propicia a concorrência, a concorrência à inovação e a inovação à geração de riquezas. O papel do Estado é apenas garantir a sobrevivência da concorrência do livre mercado. 

Grandes corporações internacionais (indústrias e banqueiros), entretanto, temem perder o controle econômico porque numa economia livre as empresas têm que se renovar, e há cada vez mais concorrência. O Estado não tem concorrência porque é uma figura jurídica única. Então uma forma de driblar a competição natural da economia é misturar a propriedade privada com a propriedade pública.Para se dominar poder econômico eternamente deve-se dominar também o poder político. (1)

Mas o que o aborto tem a ver com isso? O aborto é uma prática de controle populacional (2) planejada e financiada ao redor do mundo pelas fundações Ford, Rockefeller, MacArthur, Kellogg… essas fundações são controladas pelas mesmas famílias que controlam grande parte da economia mundial. Nos EUA(3) há cerca de 300 famílias que sempre estiveram de uma forma ou de outra no poder – e obviamente não querem largar esse poder.(4) A única forma de se manterem lá é evitando a concorrência, ou seja, aliando-se ao Estado e fazendo-o cada vez mais poderoso; dominar a vida íntima das pessoas é um exemplo de estado super-poderoso. Propagar políticas abortistas também.

Qual a intenção dessas fundações ao propagarem o aborto pelo mundo?(5) As intenções são sempre as melhores. Seus ideólogos acreditam que o ser-humano pode se tornar um super-homem(6), que poderá evoluir com melhoramentos genéticos. Tal proposta nos trouxe o nazismo e sua idéia de supremacia racial.(7) Vergonhosamente, hoje em dia, a Fundação Ford tenta esconder que financiou parte do programa eugênico(8) nazista.Experiências sociais também foram financiadas pelos meta-capitalistas(9): como a experiência do comunismo na União Soviética e do nazismo na Alemanha.(10)

Então aborto, “casamento” homossexual, cotas raciais, legalização das drogas… são todos temas e experiências que servem apenas para a separação de pessoas a fim de melhor controlá-las.(11) Não adianta atacarmos apenas a militância abortista, LGBT, as cotas ou a legalização das drogas; precisamos atacar também quem financia tudo isso. Os que financiam esse tipo de coisa são os mesmos que financiam, no Brasil, o Partido dos Trabalhadores, o Movimento dos Sem Terra e quaisquer movimento de matiz esquerdista que visa separar as pessoas em grupos pequenos.(12)

Se você quiser saber a verdade de uma proposta, não pergunte quais são os interesses, e sim quem a financia.

Você não é obrigado a acreditar nesta carta, mas se deseja procurar a verdade, é obrigado a procurar obras dos grandes estudiosos do tema:

Professor Olavo de Carvalho, Padre Paulo Ricardo de Azevedo Jr., Júlio Severo (articulista e blogueiro), Professor José Monir Nasser, Professor Antony Sutton, Yuri Bezmenov (ex-agente da KGB), Professor Doutor Thomas Woods Jr. e Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (Exército Brasileiro).

Notas:

(1) Note que na China, os líderes do Partido Comunista Chinês dominam tanto a economia quanto a política. A dominação econômica é feita por alianças entre os líderes políticos e grandes multinacionais.

(2) O controle populacional foi proposto por Thomas Malthus.

(3) Os EUA são o principal centro, porém há outros: Inglaterra e Bélgica também são importantes.

(4) Essas famílias chegaram ao poder através do crescimento econômico, mas não querem mais ficar sujeitas às incertezas da economia.

(5) Entre o ano de 2009 a 2011 o C-FEMEA (maior organização abortista do Brasil) recebeu 400 mil dólares da Fundação Ford – http://www.fordfoundation.org. Outra organização “premiada” foi a Católicas Pelo Direito de Decidir, organização falsamente católica que luta pela promoção do aborto, que recebeu 200 mil dólares em 2010.

(6) Idéia promovida pelo filósofo ateísta Friedrich Nietzsche.

(7) O nazismo pregava que judeus, ciganos, homossexuais e afins não eram seres-humanos dignos de viver. Defensores do aborto dizem o mesmo sobre o bebê que está no útero materno.

(8) Eugenia: nome dado ao ideal de melhoramento da espécie humana através da seleção artificial – ou seja, com uso da ciência.

(9) Meta-capitalismo: um termo cunhado pelo filósofo Olavo de Carvalho para se referir às pessoas que de tão ricas que se tornaram já ultrapassam os limites que separam o bem público e o privado.

(10) Ver obra de Antony Sutton, “Wall Street e a ascenção de Hitler”.

(11) Quando as pessoas são separadas e se brigam é preciso criar um mediador: o Estado. Estratégias como a divisão de classes, gênero e raça são elaboradas para que as pessoas briguem e para que o Estado possa interferir como bem entender na vida delas com o “nobre” propósito de apaziguar.

(12) A separação das pessoas em grupos é simplesmente a idéia marxista de “separação das classes”.

Anúncios

Os comentários estão desativados.