Arquivo do mês: julho 2013

UFSC promove gayzismo em escolas infantis

Crianças são usadas para propaganda gayzista em SC

Alunos das escolas públicas de Florianópolis participaram de um concurso de cartazes contra a chamada “homofobia.” A ideia de promover uma propaganda da causa gay por meio de concurso para crianças foi da equipe do Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS) do Departamento de Antropologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Julio Severo Continuar lendo

Anúncios

O fim do islamismo

A radicalização do islamismo desde as últimas décadas do século XX já é o início de seu fim

Antonio Pinho Continuar lendo

A revolução das massas e o orgulho de ser um idiota útil

Alessandro Barreta Garcia

O que está acontecendo em SP e já aconteceu só confirma aquilo que venho escrevendo: “Terrorismo juvenil em São Paulo – Um retrato nefasto de uma nova ordem mundial”.[1] Porém, com uma diferença mais nítida, de um lado uma horda de bárbaros e de outra uma massa de manobra desorientada. No primeiro caso só vejo vandalismo, criminalidade, depredação do patrimônio público e privado, incêndios, mortos e muitos feridos. No segundo, uma massa de idiotas úteis interrompendo o trânsito, impedindo o direito de ir e vir, impedindo ambulâncias de transitar, ou seja, manifestações logicamente falsas e contraditórias (a exemplo do que se observa na internet contra o jogador Ronaldo) e que agora já se deslocam rumo ao primeiro grupo. Continuar lendo

O eixo dos protestos

Cristian Derosa

Os protestos dos últimos dias são parte de um programa organizado que têm como estrutura uma ampla rede de captadores de verbas de incentivo à cultura, mídias e movimentos sociais ligados ao Governo, financiados por empresas como a Petrobrás e que tem como principal fonte de apoio internacional a Fundação Open Society, do megainvestidor George Soros. Não há mistério nisso, já que toda essa rede tem suas relações abertas e declaradas em seus sites, bastando ao descrente averiguar por si mesmo seguindo caminho óbvio pelas fontes do dinheiro e das teorias amplamente difundidas nestes meios. O que pouco se sabe é o funcionamento interno dessa rede e que possibilitou a organização massiva dos protestos recentes. Continuar lendo