Arquivo do mês: março 2013

A quem interessa o aborto?

Hermes Rodrigues Nery

Os organismos que estão trabalhando internacionalmente pela aprovação do aborto, todos dispondo de muito dinheiro, são as fundações, (planejando e financiando as ações) e as organizações não governamentais (executando-as). Continuar lendo

Os incríveis números do aborto no Brasil

Lenise Garcia

Que os números relacionados ao aborto no Brasil costumam ser “inflacionados” pelos defensores da sua descriminalização, é algo sabido. Mesmo assim, causou-me surpresa o artigo publicado dia 17/02 no site do Estadão, do qual trago aqui alguns trechos. Continuar lendo

1,4 milhões de pessoas marcham na França para defender o matrimônio e a família

PARIS, 25 Mar. 13 / 11:24 am (ACI).- Aproximadamente um milhão e meio de franceses participaram ontem em La Manif pour Tous (A Marcha para Todos) pelas principais ruas de Paris, exigindo ao governo socialista de François Hollande que retire o nocivo projeto de lei que promove o mal chamado “matrimônio” homossexual e a adoção por parte destes casais.

Continuar lendo

O monstro Frankenstein anda em torno de nós, e não o notamos

Leo Daniele

O Pe. Anthony Brankin, desenhista, pintor, escultor, orador e atualmente pároco da igreja de Santo Odilon, em Berwyn, Illinois (USA), concedeu entrevista à revista Catolicismo [1] sobre o culto à feiura no mundo moderno. Ele assevera: Não pretendo mencionar cada caso possível de feiura na nossa sociedade atual. Isso seria fatigante, quando não simplesmente desalentador. Vivemos de fato imersos numa cultura incrivelmente feia; não podemos escapar disso. Meu propósito é manter as pessoas atentas quanto ao real perigo de não perceberem a feiura, nem de se darem conta da verdadeira destruição que ela opera em suas almas. Continuar lendo

O aborto como estratégia de controle social

Hermes Rodrigues Nery

Como vemos, a “conjura contra a vida” é um processo de um poderoso sistema (cultural, político e econômico) que age sem que muitos não se dêem conta de estarem sendo vítimas de alienação e manipulação. Continuar lendo

Alguns traços da mente revolucionária

Olavo de Carvalho

Excerto dos rascunhos inéditos do livro A Mente Revolucionária.

O livro, em fase final de produção, é um dos mais esperados da última década por alunos e todos que acompanham o caminhar das mais atuais questões filosóficas.

Continuar lendo

Vídeo

SP: Polícia procura casal homossexual suspeito de abusar de filho adotivo

Violência parte dos próprios homossexuais

Ao contrário do que os movimentos homossexuais alardeiam pela mídia, não é o preconceito da sociedade ou a cultura cristã que incentiva a violência contra os gays. Os relatórios reunidos e analisados no blog Homofobia Não Existe, com base nos dados apresentados pelo próprio Grupo Gay da Bahia, retratam uma coisa que muitos já sabiam: a violência é uma constante entre os próprios homossexuais, a maioria por questões passionais. Além do relatório do GGB, o blog também tem coletado notícias pela mídia.

O blog Homofobia Não Existe convida os internautas a contribuir com seus relatórios atravez do envio de links de reportagens de jornais de outras regiões do país. Confira os relatórios que já foram analisados e alguns que estão em fase de análise e coleta no trabalho em conjunto feito no blog.

Idade das trevas? Só na sua cabeça. Ou: porque a Idade Média fundou a ideia da família tradicional

Alessandro Barreta Garcia

Nota-se em Cambi (1999) que o sentimento no início da Idade Média era solidário, igualitário e de amor. Nesse período passa-se a existir uma reinvenção da família, não mais baseada no autoritarismo do direito romano, e sim, no amor entre seus componentes: pai, mãe e filhos. Esses novos valores, pelos quais são antagônicos aos valores da Antiguidade, na Idade Média fazem parte de uma nova atmosfera. Nesse sentido, e sem dúvida, a igreja é que mais contribuiu para este novo ambiente. Continuar lendo

A perversão de Michel Foucault

Por Roger Kimball

Foucault, que morreu de AIDS em junho de 1984 aos 57 anos, tem sido o queridinho há longo tempo do superchique acadêmico da desconstrução Jacques Derrida, outro importante ativista francês. Aqui o desconstrutivismo especializou-se em demonstrar que a linguagem refere-se somente a ela mesma (“Nada existe fora do texto”, segundo a famosa frase de Derrida); já o foco de Foucault foi o poder. Continuar lendo